Notícias
Notícias publicada em 03/05/2018

Com vento, frio, chuva e até granizo, Bruno Crivilin é 8º no Mundial de Enduro da Espanha!

Uma prova dura, digna de uma etapa de Mundial. Mas que com as mudanças do clima, ficou ainda mais exigente. Essa foi a opinião geral de todos os pilotos que estiveram em Santiago de Compostela, na Espanha, para a disputa do Mundial de Enduro.

 

Foto: Guto Constantino

No sábado a prova já foi bem exigente, sendo que a cada volta ficava mais complicada por conta dos buracos que surgiam no percurso com a passagem das motos. Parte do caminho já tinha bastante água e poças d’água, exigindo dos pilotos muita atenção e cuidado na pilotagem. O brasileiro Bruno Crivilin, da equipe Orange BH KTM Racing, conseguiu imprimir um bom ritmo no primeiro dia e não teve maiores dificuldades.
 
Se no Enduro Teste e no Extreme Teste conseguia ter bom ritmo, era no Cross Teste que o brasileiro se sobressaia frente aos melhores pilotos do mundo – chegou a fazer o segundo tempo nesta especial, na sua categoria. Ao final da etapa de sábado, finalizou na oitava colocação em sua categoria, a Enduro Júnior 1- EJ1.
 
“Essa etapa foi uma prova digna do Mundial de Enduro. Foi bem exigente, quatro voltas por dia de 65 quilômetros cada volta, com três especiais em cada uma, totalizando doze especiais no dia. A prova foi bem legal e o percurso estava bem pesado e exigente, mas nada assim intransponível, que exigisse tanto”, disse Crivilin, após conseguir um ‘Top 10’ no primeiro dia de prova.
 
A expectativa para o domingo era melhorar esse resultado. Não fosse pelas mudanças do clima durante o dia, poderia ter conseguido. O tempo na Galícia é imprevisível e muda a toda hora, mas ninguém poderia prever que em um só dia os pilotos enfrentariam chuva, sol, frio intenso e até granizo. O cenário dificultou a vida de todos os pilotos, e até os mais experientes tiveram bastante dificuldade nos terrenos extremamente escorregadios, com atoleiros e poças d’água.
 
“Com a chuva o percurso piorou muito e até os pilotos mais experientes tiveram algum tipo de dificuldade. A prova ficou muito dura e era preciso muita atenção a todo momento, mesmo nos deslocamentos. Havia muitos atoleiros e poças que estavam ficando bem fundas com a passagem das motos”, relatou Crivilin.
 
Mesmo com muitas dificuldades, principalmente enfrentando um frio intenso, o brasileiro conseguiu terminar mais uma vez entre os dez primeiros, finalizando com o oitavo lugar na classificação da sua categoria novamente. E assim como no primeiro dia, conseguiu excelentes resultados no Cross Teste, andando sempre na frente e chegando a fazer terceiro tempo na especial neste dia.
 
“A maior dificuldade no começo foram os buracos no percurso das especiais, a pista ia ficando cada vez mais esburacada e mais difícil de conseguir baixar tempo. Mas com a chuva e o frio, os buracos passaram a ser secundários. O frio foi sem dúvida a minha maior dificuldade e o que mais me limitou. O dia todo competindo com temperaturas entre 4 e 8 graus, mas com sensação térmica chegando a 2 graus, foi bem complicado. Na parte final deste domingo ainda pegamos chuva de granizo, as pedras machucavam bastante por causa da velocidade. Foi bem complicado, terminei o dia com o rosto bem queimado por causa do frio”, explicou Crivilin.
 
O brasileiro da Equipe Orange BH KTM Racing destacou a oportunidade de disputar uma etapa do Mundial de Enduro em solo europeu. Segundo Crivilin, além da disputa, o aprendizado em uma prova como esta é algo a ser destacado.   
 
“Cada corrida, independentemente de ser aqui na Europa ou no Brasil, é única e traz experiências diferentes. Mas poder correr aqui fora, em outro país, com pilotos de alto nível, percursos e especiais diferentes, é um aprendizado muito grande, é uma oportunidade de evolução que não se pode deixar de ressaltar”, disse.
 
Ele fez questão ainda de destacar o nível dos pilotos. Uma etapa do Mundial concentra sempre os melhores pilotos do mundo.
 
“A disputa e o nível da competição aqui não tem nem o que falar. São os melhores pilotos do mundo, reunidos em um só lugar, mais de 100 pilotos de alto nível, nenhum deles é lento e nenhum está aqui só pra brincar. Poder medir forças com esses pilotos é fantástico. Nesse nível de disputa, um pequeno erro te custa várias posições. Precisamos acertar isso, cometi alguns erros nesses dois dias, e é nisso que vamos focar essa semana, vamos seguir mais fortes pra etapa do Mundial em Portugal, no próximo final de semana”, finalizou.
 
Bruno Crivilin segue agora para Castelo Branco, em Portugal, onde nos próximos dias 4, 5 e 6 disputa mais uma etapa do Campeonato Mundial. A previsão é de que a prova em terras lusitanas aconteça com tempo seco, sem chuva, e com temperaturas um pouco mais altas que o frio da Espanha.